FAESP Informa:Prazo para vacinação de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa e brucelose é prorrogado para 30 de junho
Além de São Paulo, outros 13 estados e o Distrito Federal tiveram a primeira etapa prorrogada.

O prazo para a entrega do certificado de vacinação também foi estendido para o dia 07 de julho de 2021. Produtores rurais enfrentaram dificuldades para adquirir vacinas contra febre aftosa na atual campanha.

Após a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP) alertar entidades competentes, como à Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo (SAA-SP), sobre dificuldades de produtores rurais para aquisição de vacinas contra a febre aftosa no Estado, o mesmo registrado em outras regiões do país, o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) avaliou e autorizou a pedido de prorrogação da primeira etapa da campanha em 14 estados e no Distrito Federal.

Conforme a Portaria nº 19, de 31 de maio de 2021, publicada no Diário Oficial do Estado, nesta terça-feira, 1º de junho de 2021, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por sua Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) informou excepcionalmente, que prorrogou para o dia 30 de junho de 2021 os prazos para a vacinação do gado bovinos e bubalinos de todas as idades contra a febre aftosa e para vacinação das fêmeas bovinas e bubalinas, com idade entre três e oito meses contra a brucelose. A data limite para declarar a vacinação também foi prorrogada para o dia 07 de julho de 2021.

A decisão técnica para prorrogação dos prazos foi avaliada pela equipe da Coordenadoria de Defesa Agropecuária e deveu-se às dificuldades de aquisição de frascos de vacinas contra febre aftosa, que ocorreu durante o mês de maio e afetou vários municípios do estado de São Paulo, bem como o seguimento adequado da etapa de vacinação. A CDA recepcionou ofício da FAESP alertando para essa ocorrência, e o documento solicitava à Coordenadoria que procedesse com avaliação situacional junto aos Escritórios de Defesa Agropecuária espalhados pelo Estado e que em caso de confirmação do problema, a CDA solicitasse ao MAPA a dilatação do prazo de campanha.

Segundo o MAPA a ampliação do prazo ocorreu em função da pandemia da Covid-19 e remanejamento de doses de vacinas para algumas regiões, a pedido das entidades representativas dos produtores e chancelada pelo Serviço Veterinário Estadual.

Declaração Aftosa e Brucelose

Além dos bovinos e bubalinos que foram vacinados contra a febre aftosa devem ser declarados todos os animais de outras espécies existentes na propriedade, tais como equídeos (equinos, asininos e muares), suídeos (suínos, javalis e javaporcos), ovinos, caprinos e aves (granjas de aves domésticas, criatórios de avestruzes).

Contra a brucelose devem ser declaradas todas as bezerras bovinas e bubalinas que foram vacinadas (com idade entre três e oito meses) durante o primeiro semestre de 2021.

A mesma legislação prorroga para o dia 07 de julho de 2021 o prazo para a entrega do certificado de vacinação contra a brucelose e febre aftosa junto aos estabelecimentos de beneficiamento de leite ou produtos lácteos e entrepostos de leite, entre outros congêneres.

Como as medidas de combate à Covid-19 ainda estão sendo realizadas é importante que o criador continue adotando formas de minimizar o contato social para adquirir as doses da vacina, agendando quando possível, a entrega diretamente na propriedade rural.

Outra medida adequada é optar por declarar as vacinações pela Internet, através do sistema Gestão de Defesa Animal e Vegetal (Gedave), em www.gedave.sp.gov.br. Quando não for possível, o produtor poderá encaminhá-la por e-mail ou, em último caso, deverá entrar em contato com as regionais através dos telefones e endereços eletrônicos disponíveis no site da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (www.defesa.agricultura.sp.gov.br) para realizar o procedimento por meio presencial, através de agendamento prévio.

Fotos

Atendimento via Whatsapp