No Dia da Alimentação, FAESP destaca ações de abastecimento, alertando sobre índice de piora da fome
Entidade ressalta que tem realizado várias ações neste ano, visando contribuir para manutenção do abastecimento durante a pandemia.

Por ocasião do Dia Mundial da Alimentação, 16 de outubro, a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP) alerta para a premência dos esforços voltados à erradicação da fome no Brasil e no mundo. O problema tem alto risco de agravamento em decorrência do aumento do desemprego provocado pela crise da Covid-19. Segundo o Banco Mundial (BIRD), somente na América Latina 25 milhões de pessoas ficarão sem trabalho em 2020.

"Relatórios das Nações Unidas anteriores à pandemia indicavam que o número de pessoas subalimentadas no mundo era de 821 milhões, significando que um em cada nove habitantes passa fome", observa Fábio Meirelles, presidente do sistema FAESP/SENAR-SP, alertando: "Na infância, os números são mais graves: quase 151 milhões de crianças menores de cinco anos estavam com atraso em seu crescimento devido à carência alimentar".

No Brasil, de acordo com o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), houve redução expressiva nos índices de desnutrição de crianças entre 1996 e 2006. "Mesmo assim, seguimos enfrentamos índices inaceitáveis, principalmente em um país que é um dos maiores produtores mundiais de alimentos", pondera Meirelles, citando dados do organismo multilateral que indicam serem 6,7% dos brasileiros menores de cinco anos vítimas da desnutrição.

"Obviamente, o processo de inclusão social, em especial pela geração de empregos em larga escala, é o meio mais eficaz de combater a fome. Por isso, defendemos uma política econômica voltada à retomada de um fluxo mais vigoroso de crescimento do PIB", ressalta o presidente da FAESP, opinando que uma das principais medidas nesse sentido é a reforma tributária, que "pode e deve ser indutora de investimentos e dos negócios e não um empecilho".

Com esse olhar, a entidade tem se mobilizado em defesa dos produtores rurais, acompanhando de perto as propostas de Reforma Tributária que estão em tramitação (PEC 45/19, da Câmara dos Deputados; PEC 110/19, do Senado; e o Projeto de Lei 3.887/20, do Executivo).

"O Dia Mundial da Alimentação é oportuno para lembrar que a tributação inadequada da comida conspira contra a meta prioritária da erradicação da fome. Somos contrários a qualquer tipo de aumento de impostos nos alimentos. Ademais, o setor agropecuário, gerador de milhões de empregos e decisivo para a inclusão socioeconômica, não pode ter sua competitividade comprometida pelo aumento de impostos, um risco que devemos debelar no Brasil", frisou Meirelles.

Ações para manter abastecimento

Além dessas gestões políticas, a FAESP tem realizado ações destinadas a contribuir para a manutenção do abastecimento, de apoio aos agropecuaristas e aos consumidores. Uma dessas iniciativas é o "Pertinho de Casa", criado para fazer frente à ameaça que a pandemia impôs a numerosos pequenos e microprodutores rurais e varejistas de alimentos, impedidos de colocar os produtos no mercado. "Trata-se de um aplicativo que possibilita a compra direta por parte dos consumidores e cujo sucesso evitou que muitas famílias engrossassem a fila do auxílio emergencial do governo e o rol dos socorridos pela fraternidade. Estão produzindo, vendendo, ganhando seu dinheiro e atendendo milhares de pessoas", explica o presidente da FAESP.

Tal objetivo também foi alcançado em outra ação liderada pela entidade: centenas de costureiras, muitas delas instrutoras dos cursos do SENAR-AR/SP (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), foram mobilizadas para produzir milhões de máscaras destinadas a produtores e trabalhadores do campo e à santas casas de misericórdia do interior paulista. Essas mulheres, muitas delas arrimos de família, estariam sem renda no momento mais agudo da pandemia. Contudo, estão trabalhando e se mantendo.

A entidade promoveu, ainda, modelos de feiras totalmente adequados aos protocolos de segurança para evitar o contágio pelo coronavírus, contribuindo para a retomada desse importante comércio de alimentos, e ajudou na adoção de medidas de segurança sanitária no Entreposto Terminal de São Paulo, da Ceagesp. "Ações como essas são decisivas num momento tão difícil do Brasil e do mundo", frisa Meirelles, enfatizando a pertinência de trecho de pronunciamento em comemoração ao Dia Mundial da Alimentação, em 2019, feito pelo mexicano Rafael Zavala, representante no Brasil da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO): "Comer melhor também significa apoiar os pequenos agricultores, redistribuir renda, respeitar a natureza e nutrir o mundo com comida de verdade".

Fonte: FAESP 16/10/2020 às 10h30

Fotos

Atendimento via Whatsapp